Newsletter

a aa
10 07

Saiba tudo sobre a doença renal nos gatos

Publicado em 10 de Jul de 2017 por Victoria Bassi Comentar

Entenda os motivos que levam grande parte dos felinos a desenvolver problemas nos rins e saiba como manter a saúde desses órgãos

Texto Bárbara Roxo | Foto Shutterstock | Adaptação web Victoria Bassi

Imagine o seguinte cenário: o gato começa a ir à caixa de areia diversas vezes ao dia, faz xixi em grande quantidade, chegando a formar grandes “pelotas” na areia ou errar o alvo. Como consequência, ele passa a beber muita água. Ao mesmo tempo, para de comer e perde muito peso. E, em alguns casos, ainda exala um odor muito forte na boca. Nem todo tutor de felino sabe, mas esses sintomas juntos costumam levar a um diagnóstico sério e também muito comum entre os bigodudos: doença nos rins.

Especialistas na espécie felina estimam que 90% dos gatos irão apresentar algum dos estágios da Doença Renal Crônica (DRC) ao longo de sua vida. E o pior: quando começam a manifestar os sintomas, cerca de 70% dos rins já estão comprometidos, o que deixa os donos alarmados. Além disso, há outros realmente problemas que afetam a região, como cálculos. Não é à toa que em março é realizada a campanha veterinária Março Amarelo, que lembra da importância de prevenir e identificar as doenças que podem afetar os rins dos nossos amigos de quatro patas.

 

FILTRO DO ORGANISMO

Mas afinal, qual a importância dos rins para o corpo? Não só para os gatos, mas também os cachorros e para nós, o órgão possui muitas funções essenciais para o bom andamento do organismo. Funciona como um filtro do sangue, uma espécie de “detox” natural, eliminando na urina as impurezas produzidas pelo metabolismo do corpo diariamente e reabsorvendo substâncias importantes que não devem ser desprezadas, como proteínas, por exemplo. Ao mesmo tempo, é responsável por “segurar” a água necessária para manter o corpo hidratado, controlar a pressão arterial e produzir a eritropoietina,um hormônio utilizado para evitar a anemia, que é a diminuição das células vermelhas do sangue, responsáveis por levar oxigênio para todo o corpo.

 

LONGO PRAZO

Ou seja, o mal funcionamento desse importante órgão traz sérias consequências a longo prazo para os pets, como vômitos, diarreia, letargia, perda de peso, fraqueza e pressão alta. “O maior problema mesmo é que as doenças renais são enfermidades silenciosas, ou seja, quando o tutor percebe os sintomas, o gato, muitas vezes, já se encontra em um estágio avançado da doença”, explica Jorge Conti, médico veterinário e especialista em Nefrologia e Urologia do Hospital Veterinário Pet Care. Indo direto ao ponto: não deixe de realizar check-ups anuais ou semestrais no seu bigodudo, mesmo que ele não apresente nenhum sintoma.

Uma das enfermidades mais comuns na região é a doença renal crônica (DRN). Trata-se do mal funcionamentodos rins que leva à perda de água, causando a desidratação do animal e, por consequência, sede em excesso.Esse é o caso do gato que faz muito xixi e que bebe água o tempo todo. Com o tempo, a urina vai ficando cada vez menos amarela, com uma cor quase transparente. Também ocorre a intoxicação do organismo, devido à falta de filtração das substâncias indesejáveis, e a diminuição do apetite.

 

PRESSÃO NOS RINS

De acordo com o especialista Jorge Conti, os gatos são mais afetados por esse problema por serem carnívoros por natureza, ou seja, a dieta rica em proteína proveniente de carnes, com o tempo, pode causar sobrecarga no órgão. Além disso, por serem de origem desértica, possuem grande capacidadede concentrar a urina, sendo assim, seus rins sempre trabalham muito para ter o mínimo de desperdício de água, mesmo tendo sido domesticados. “O rim precisa manter no corpo as proteínas da alimentação, que são filtradas e devolvidas para a circulação sanguínea a fim de que esses nutrientes possam ser aproveitados, e não eliminados na urina”, explica Jorge. “Isso envolve uma atividade energética do órgão muito alta, causando uma sobrecarga que acaba por destruir parte das células renais progressivamente, dando origem à doença renal crônica”, completa.

Outra doença que pode passar despercebida são os cálculos renais. Conhecidos por muitas pessoas como “pedra nos rins”, trata-se de acúmulo de minerais nos rins, que, em certo momento, se descolam para a bexiga dos bichanos, acarretando dificuldade para urinar.

Segundo Mariane Silva, veterináriado Hospital Santa Inês, os cálculos se formam pelo depósito de cristais nos rins, onde a urina é formada antes de seguir para a bexiga. “Enquanto os cálculos permanecem nos rins, o animal não demonstra sintoma. Porém, quando passam pelo ureter, canal que liga à bexiga, costumam obstruir o fluxo normal de urina. Nesse estágio, o gato terá bastante dor, poderá ter vômitos e até causar a morte de células renais.”

Revista Meu Pet Ed.48

Comente!