assine

Newsletter

a aa
12 11

Câncer de próstata em cães

Publicado em 12 de Nov de 2015 por Marília Alencar Comentar

Novembro Azul no mundo pet: atenções voltadas para o câncer de próstata em cães

Texto Marcelo Quinzani é médico veterinário e diretor clínico do Hospital Veterinário Pet Care / Adaptação web: Marília Alencar 

Câncer de próstata em cães

(Foto: Pinterest/Reprodução)

O homem não é o único que sofre com a doença de próstata. A chamada Hiperplasia Prostática Benigna (HPB) também pode afetar os pets adultos não castrados. Um cão pode chegar à sua maturidade com 80% de chance em desenvolver a patologia, mas, diferente do homem, a probabilidade em desenvolver um tumor maligno é muito pequena. Apesar desse baixo risco, a HPB pode causar vários problemas para os cães, comprometendo a sua qualidade de vida e o seu bem-estar. Isso porque a próstata é uma glândula sexual acessória presente no homem, nos cães e em outros animais. Ela está localizada na pelve próxima à bexiga e envolve parte da uretra. Por isso, de alguma forma, participa do processo reprodutivo e sofre influência dos hormônios sexuais produzidos nos testículos. 

Quando os cães são castrados antes da puberdade, acabam por ter muito pouco tecido prostático, pois a ausência da produção de testosterona inibe o seu crescimento e, consequentemente, a formação de um tumor na glândula. A ausência da próstata não causa nenhum dano à saúde do cão, já que sua única função é o apoio nutricional aos espermatozóides. 

DIAGNÓSTICO, SINTOMAS E TRATAMENTO 

O diagnóstico de Hiperplasia Prostática e/ou Prostatite pode ser realizado na avaliação clínica do animal utilizando o método de toque retal. Ao realizar esse exame, o médico veterinário é capaz de sentir a próstata e avaliar se está aumentada e/ou irregular. A confirmação se dá através do exame de ultrassom abdominal e de possível citologia, também guiada por ultrassom. 

Os sintomas mais comuns de que algo não está bem com a próstata do animal são: desconforto no cão na região pélvica, dificuldade em urinar (urina em jatos finos demorando mais para esvaziar a bexiga) e muito esforço e dor ao defecar. Quando a próstata aumenta de tamanho, ela empurra o reto para cima contra a pelve, diminuindo o espaço de passagem das fezes do intestino grosso para o reto. Nessa situação, o cão normalmente se estica para forçar a passagem das fezes, o que causa desconforto e dor se a próstata estiver inflamada. No caso de inflamação, é comum a presença de sangue na urina e infecções urinárias persistentes. Essa seria a causa mais comum de constipação e esforço fecal no cão macho não castrado.

Ainda, se a próstata estiver muito dolorida, o cão tende a caminhar de modo diferente e, muitas vezes, esses esforços constantes ao defecar podem causar o aparecimento de hérnia perineal (que seria um aumento de volume ao lado do ânus, causando muito mais dor e dificuldade em defecar e urinar). 

O tratamento depende da origem do aumento de próstata, mas a castração do cão macho deve ser indicada para todos os cães em que este aumento foi notado, seguido ou não de tratamento com antibiótico, drenagem de cistos prostáticos e em alguns casos remoção cirúrgica da próstata. 

Comente!