assine

Newsletter

a aa
08 11

Entenda sobre a aplicação de insulina em cães diabéticos

Publicado em 08 de Nov de 2016 por Luana Zanolini Comentar

Diabetes é uma doença séria que também pode afetar os cães. Entenda agora como funciona a aplicação de insulina nos diabéticos

Texto Caroline Martin | Adaptação Luana Zanolini | Foto Shutterstock

Entenda sobre a aplicação de insulina em cães diabéticos

As aplicações de insulina têm de ser incluídas na rotina dos cães diabéticos com a mesma rigidez que uma nova alimentação. Em geral, a dose deve ser administrada duas vezes ao dia, sempre após as refeições da manhã e da noite.

É importante receber orientações do veterinário para saber como aplicar corretamente, fazendo a dobra cutânea. “Basta pegar uma dobrinha nas costas do cão e injetar o hormônio com cautela, sempre alternando o local entre uma aplicação e outra”, ensina a tutora Márcia Cunha Estigarribia, que cuida do Jimmy, seu pet diabético.

Da parte de quem recebe a insulina, parece estar tudo ótimo também. “O Jimmy se adaptou superbem. Tanto que, depois que come a ração, já fica deitadinho para eu aplicar a injeção”, conta.

Segundo José Lahm Cardoso, da Associação Brasileira de Endocrinologia Veterinária (ABEV) e especialista do Pet Center Londrina (PR), as aplicações podem ser feitas com instrumentos variados. Atualmente, existem no mercado seringas com agulhas de espessuras diversas e canetas de insulina. “É só encontrar o método mais confortável para o paciente e para o tutor”, garante.

O especialista revela ainda que são comercializadas insulinas especialmente voltadas a cachorros diabéticos, mas é o médico veterinário que acompanha o paciente o responsável pela prescrição ideal.

“O hormônio sempre deve ser armazenado na geladeira, para ter sua ação preservada. Sem alterações bruscas de temperatura, ele dura aproximadamente um mês”, orienta o endocrinologista. 

 

Revista Meu Pet | Ed.10

 

Comente!