assine

Newsletter

20 04

Seu cão é bravo e antissocial? Veja como mudar isso

Publicado em 20 de Apr de 2017 por Victoria Bassi Comentar

Você sempre sonhou em ter um cachorro feliz, carinhoso com todo mundo e que ame passear? Saiba o que é preciso fazer para o seu pet não ser mais antissocial

Texto Lila de Oliveira | Foto Alan Teixeira | Adaptação web Victoria Bassi


Cães antissociais costumam manifestar o seu desconforto latindo ou rosnando para visitas ou ainda empacando na hora de passear. Por isso, o treino ideal deve trabalhar esses dois comportamentos


TERRITORIALISTA E IMPREVISÍVEL

É assim que a tutora do SRD Costela,de 3 anos, define o seu mascote. “Como vivia nas ruas, ele era bem medroso e procurava se isolar”, lembra Fabiana Guerrero. Mas, à medida que foi se afeiçoando aos donos, ganhou confiança e passou a defendê-los sempre que um estranho se aproxima. Ele não é muito fã de visitas e inclusive já tentou morder amigos da família. Adora passear, mas não gosta de encontrar outros cães pelo caminho. Fabiana conta que ela nunca soube como mudar essa postura e que não tem o hábito de dar bronca – até porque, com ela, o bichinho é supercarinhoso!

Você se identificou? Não é difícil encontrar cães com o perfil de Costela e, ao contrário do que pode parecer à primeira vista, essa aversão a pessoas que não são da família normalmente está vinculada ao medo. “Grande parte da agressividade vem do receio de que a interação com desconhecidos cause desconforto ao cão”, afirma a adestradora Priscila Fadelli, da Cão Cidadão.

De acordo com a veterinária comportamentalista e consultora do Hospital Veterinário Pet Care, Carolina Rocha, existem dois principais grupos de cães antissociais. “Há animais comum perfil mais ofensivo, que tentam se fazer maiores e soam agressivos, porque latem muito, rosnam, mostram os dentes e mordem o ar, e há aqueles que preferem se isolar. Costumam ficar como corpo encolhido e o rabinho entre as pernas, comem pouco e salivam bastante”,descreve. Sim, cães agressivos também podem ser antissociais, pois usam os rosnados para afastar as pessoas.


DESDE FILHOTE

Os cães antissociais geralmente são aqueles que não tiveram uma socialização apropriada e, portanto, não aprenderam desde cedo que conviver com humanos pode ser vantajoso. “Se entre a terceira e a décima sexta semana de vida do cachorro (ou seja, entre o fim do primeiro mês e quarto mês) ele não tiver acesso a diferentes estímulos, ficará mais propenso a desenvolver distúrbios de comportamento mais pra frente”,atesta Carolina. “É que é nessa época que ele deve ser apresentado ao mundo,a diferentes sons e cheiros e a todo tipo de pessoas: de diversas idades, com bengala,capacete, chapéu, cadeira de rodas,brancos, negros... Quando o primeiro contato acontece nesse período e sem traumas, é como se o cachorro tivesse tomado uma vacina comportamental”,explica a profissional.


Filhote no passeio

Passeie com ele no colo. Mesmo que o pet ainda não tenha tomado todas as vacinas, você pode levá-lo para uma volta. Mantenha-o no colo e permita que ele assimile os mais variados estímulos durante a caminhada, ou ainda receba cães vacinados em casa.

 

A visita chegou

Faça uma aproximação gradual. Atraia o cão para longe da porta na hora da chegada da visita e a instrua a não olhar o pet nos olhos para não intimidá-lo. Peça para o convidado sentar e oferecer um petisco depois que ele estiver calmo.

 

Um passo de cada vez

Conduza seu mascote de carro até o local do passeio,para que estímulos no meio do caminho não o amedrontem.Escolha uma praça sem movimento e divirta-se com ele, oferecendo-lhe recompensas.Aos poucos, ele irá associar a atividade a algo positivo.

 

ESTÍMULOS PRECOCES

Vale também estimular o pequeno dentro de casa, sempre de forma gradual. “Ofereça objetos com cores e formas distintas e coloque-o em contato com diferentes superfícies. Dê um petisco, um ossinho ou um pedaço de carne enquanto o expõe a sons como os de sirene, fogos, trovão, aspirador,secador e moto, que você encontra facilmente na internet”,indica. Outra sugestão é promover encontros com cachorros vacinados– em locais seguros, como a sua casa ou a de um amigo.

 

ELE JÁ É ANTISSOCIAL?

Por mais que você já tenha se acostumado com o jeitão do seu peludo, nunca desista de tentar torná-lo mais sociável, não só por você. “Um cão antissocial pode apresentar um quadro de estresse, ansiedade e irritabilidade, além de ser afastado do convívio social. Normalmente, ele acaba tendo menos atenção e menos passeios, o que o leva a ter menos qualidade de vida”, avisa Joyce. Sem contar que viver em grupo é algo instintivo para o cachorro, e o medo tende a baixar sua imunidade e elevar sua pressão arterial. Os especialistas concordam que é possível socializar um cão de qualquer idade. “É claro que com os filhotes é mais fácil, já que eles provavelmente ainda não têm traumas nem experiências ruins”, afirma Priscila, da Cão Cidadão.

Revista Meu Pet Ed. 47

Comente!