assine

Newsletter

19 04

Sabia que seu felino pode ter sensibilidade digestiva?

Publicado em 19 de Apr de 2017 por Victoria Bassi Comentar

Veja a melhor dieta para evitar os sintomas incômodos, como o vômito, a apatia e as bolas de pelo

Texto Bárbara Roxo | Foto Shutterstock | Adaptação web Victoria Bassi

Alguns donos de felinos convivem com esse problema, mas talvez nunca tenham parado para analisar: gatos podem ter sensibilidade intestinal e apresentar sintomas recorrentes como vômito, perda de apetite e peso, diarreia, grande produção de bolas de pelos e apatia. No entanto, dificilmente esses sinais são relacionados entre si, apenas tratados pontualmente.

O processo de domesticação da espécie felina, associado à modernizaçãodo estilo de vida do ser humano,ocasionou o surgimento de algumas particularidades nos gatos.Uma delas é a sensibilidade do trato digestivo, que pode levar à digestão inadequada do alimento.

De acordo com Luciana Peruca, veterinária e coordenadora de comunicação científica da Royal Canin Brasil, um dos motivos para isso pode ser a tendência ao sedentarismo. “Sabemos que felinos que vivem restritos em ambientes internos apresentam menor nível de atividade física do que cães que vivem nesse mesmo ambiente, fato que ocasiona a sensibilidade digestiva”,explica. “Eles também apresentam uma maior predisposição à formação de bolas de pelos, uma vez que ingerem uma quantidade muito grande devido ao elevado tempo que gastam se higienizando”,acrescenta a especialista.

Além do estilo de vida, outros motivos que podem levar a maior sensibilidade intestinal nos felinos são as mudanças dietéticas abruptas,o estresse ambiental, o uso contínuo de medicamentos, a oferta de petiscos em excesso e a intoxicação alimentar (por toxinas e bactérias). Doenças como linfoma, disfunção renal e inflamação intestinal por parasitas também podem causar má digestão e má absorção de nutrientes. Mas a boa notícia é que o quadro tem solução!


IDENTIFICANDO O PROBLEMA

A gata Dorinha, SRD, de 1 ano,chegou na casa da Cíntia Vendemiatti já adulta e, para alimentá-la, a tutora optou por oferecer a mesma ração do seu outro bichano. No início, a gata aceitou bem o alimento, mas, dois dias após sua chegada, apresentou diarreia constante e inchaço na região do abdome. “Primeiramente procurei a veterinária, que me orientou a fazer alguns testes com a comida que era oferecida a ela para descobrir o que poderia estar causando o desconforto intestinal. Segundo Mariane Brünner, veterinária especialista em felinos do Hospital Veterinário Santa Inês (SP), se não identificada e tratada corretamente, a doença intestinal pode fazer com que o pet passe a ter falhas na absorção de nutrientes (vitaminas, proteínas e minerais),levando a déficits nutricionais em longo prazo. “O processo inflamatório intestinal pode desencadear episódios de vômito, causando um desbalanço na absorção de nutrientes essenciais para o gato. Se não tratada adequadamente pode ser a base do linfoma intestinal, um tipo de câncer.”


DIETA IDEAL

Não existe uma fórmula para prevenir ou tratar a sensibilidade intestinal nos felinos. A escolha deve ser pelo alimento com maior qualidade de ingredientes de acordo com o perfil do gato e do tutor.“A indicação se dá pelos componentes que ele traz. Desde que se ofereça um produto de alta qualidade de ingredientes, de fontes proteicas boas e que esteja completo e balanceado, não importa se é úmido, seco, caseiro ou líquido”, afirma Carla Maion, nutricionista veterináriado Hospital Veterinário Pet Care.


NUTRIENTES ESSENCIAIS

O que procurar então na hora de decidir a dieta do bichano? A alimentação composta por nutrientes específicos de alta qualidade e digestibilidade (aproveitamento do alimento pelo organismodo animal) favorece o equilíbrio nutricionaldos gatos. Ou seja, é importante que os alimentos tenham maior teor de prebióticos (fibras alimentares) e probióticos (bactérias benéficas para o intestino), que ajudarão a regularizar o tempo do trânsito intestinal e o esvaziamento do estômago em situações de estresse ou inflamação, facilitando a produção adequada de fezes.

Para Luciana Peruca, da Royal Canin, o tutor deve buscar um alimento completo,balanceado, de elevada qualidade nutricional e específico para seu gato com sensibilidade digestiva. “A combinação de prebióticos e fibras alimentares como a planta Psyllium, por exemplo, ajuda a promover um equilíbrio da microbiotado intestino, explica. Na opinião da nutricionista Carla Maion, para gatos, o uso de alimentação natural (AN) precisa ter restrições.“Por ser um animal seletivo, a opção de separar o ingrediente na dieta caseira pode fazer com que o animal não ingira tudo e tenha deficiências ou excessos na nutrição”, esclarece. A AN deve ser composta por proteína animal de boa qualidade, gordura vegetal (soja, milho, girassol), fontes de fibra (aveia, sorgo, trigo),vitaminas, minerais e carboidratos bons (arroz, batata, inhame).


O QUE EVITAR?

A recomendação é não oferecer uma dieta sem indicação do veterinário. A troca de alimentação sem supervisão pode acarretar uma piora do quadro digestivo. Além disso, o risco de adquirir um alimento que não seja específico para o gato é grande. A veterinária nutricional Carla complementa que o tutor de um animal sensível deve evitar trocas de alimentos e sabores, e oferecer petiscos.Uma vez que a dieta esteja correta,haverá regularidade intestinal, ganho de peso adequado, manutenção de pelagem saudável e o fim de sintomas como vômitos e diarreias. “Tudo melhora. Inclusive a atitude e o comportamento do animal. Ele torna-se mais ativo, confortável e tranquilo", finaliza Carla.

Revista Meu Pet Ed. 47

Comente!